Parenthood - 1x08: Rubber Band Ball

 "Se ama alguém, liberte-o. Se voltar, é seu. Se não, nunca foram."

Esse com certeza foi o melhor episódio que Parenthood apresentou desde seu piloto. Parece que finalmente a série se estabilizou e conseguiu mostrar uma trama bastante centrada, mas o pior de tudo é que isso só serviu para eu gamar de vez na família Braverman.



Se eu for escolher um núcleo da trama para chamar de 'melhor plot' da série, imediatamente o nome Jabbar vem a cabeça. A história de Krosby e toda aquela enrolação para contar a todos que ele acabara de descobrir que tinha um filho de 5 anos, mais parecia que iria nos levar ao lugar-comum, mas não, muito pelo contrário. Seus pais - que mais parecem coadjuvantes - aceitaram numa boa essa 'descoberta', e parecem ter visto como uma forma de ver seu filho mais novo amadurecer. Na festa de aniversário de Jabbar, a família de Jasmine se encontrou com os malucos Braverman's, e ela acabou por contar a todos que na verdade, havia mentido quando disse que o Krosby já sabia sobre filho e então fugiu. Não posso deixar de falar sobre as ótimas cenas finais complementadas com a também ótima trilha sonora com Jasmine mostrando ao Krosby vídeos dos 5 anos de vida perdido por ele para/com seu filho.

Julia - que vem ganhando mais espaço na série - e seu marido-que-não-trabalha - e nem sei o nome - foram chamados pela diretora da escola por ter havido um problema com sua filha Sydney, já que a garota andava obsessiva por uma bola de ligas. Pensando que ela tivesse a mesma síndrome que Max, Julia vai até Kristina para pedir alguns conselhos, e assim, ela lhe indica o mesmo médico que diagnosticou seu filho. Mas esse não era o especialista mais difícil de se conseguir uma consulta?! Enfim... eles acabam descobrindo que a menina é na verdade superdotada, o que os deixou super contentes. Porém, Kristina que estava toda alegre por saber que tem alguém que possivelmente possa estar passando pelos mesmos problemas, acaba não gostando muito da notícia, o que mostra o lado humano do ser humano, o qual não quer achar que é o único que está passando por dificuldades.

Como eu disse no início, os pais dessa família desconfigurada mais parecem coadjuvantes, porém, depois desse episódio, acredito que isso está para acabar. Zeek chama Adam para um passeio, o que a princípio é mais uma viagem 'pai e filho', entretanto não passa de uma forma do patriarca contar ao seu primogênito que ele vem enfrentando problemas financeiros e podem perder a casa. Esse Zeek adora mencionar a bravura dos homens Braverman e todo o seu poder sexual, mas sinceramente, tem horas que dá vergonha alheia quando ele começa com suas brincadeiras ou conselhos de 'pessoas experientes' com os outros.

Dessa vez, Sarah não apareceu tanto na série, mas adorei o que ela disse  (legenda da foto) ao namorado de sua filha ao tentar mostrar o quão confusa era a sua família, e não queria deixar que Amber cometesse os mesmos erros que ela, e que por isso, ele deveria ir embora. Após isso, Camille lhe dá vários conselhos, e percebemos que a rebeldia está no sangue das mulheres da família, até porque a matriarca deu a entender que já foi como Amber, e com certeza Sarah também.

Share/Bookmark

2 comentários:

Klaus Roger disse...

Oxente já tá no episódio 18, eu só vim acompanhar agora pela sky no Liv e gostei do piloto, o segundo episódio foi bom também. Por isso nem vou ler pra evitar spoilers futuros, mas a serie parece ser muito boa.

J.Carlos disse...

Na verdade é o episódio 8, eu que errei no título. Muito obrigado Klaus, e desculpa por te deixar confuso.

Mas sim, Parenthood é bem legal de acompanhar, ao menos eu gosto. Os primeiros episódios foram meio rasos, porém esse 'Rubber Band Ball' foi o mais consistente e por isso decidi iniciar as reviews por ele!

Postar um comentário

Aproveite a área de comentários abaixo para discordar, concordar, criticar ou elogiar o texto que você acabou de ler.

- Clicando em Nome/URL você pode postar seu site, blog ou twitter;
- Comentários moderados;
- Use o bom senso e evite brigas. Temos sorte por não possuirmos a mesma opnião.